Sexta Dimensão , Um papo verdadeiro sobre LGBT, preconceito e visibilidade , Artigos , Diversidade , LGBT ,

Um papo verdadeiro sobre LGBT, preconceito e visibilidade


Esse texto começa com uma pergunta: você já parou pra ler os comentários dos grandes portais de notícia como o G1? E uma segunda pergunta: você já parou pra pensar que realmente tem uma pessoa do outro lado da tela comentando aquele tipo de coisa? Destilando ódio explicitamente, e às vezes, escondendo daquela forma que a gente tá mais que acostumadx a ler: "não tenho preconceito, MAS..." e tudo que vem depois é, com toda sinceridade, um lixo, uma ignorância sem tamanho. 

Todo esse preconceito me causa nojo, porque preconceito sim é pra ser repudiado, é pra sentir nojo desse tipo de coisa. Agora se incomodar ou ter ódio por uma pessoa (que muitas vezes você nem conhece) simplesmente pelo fato dela gostar de uma outra pessoa, ou pela cor da pele ou por ela ser qualquer coisa que sabe se lá o por quê, você se incomoda? Tem gente achando que é melhor que o outro, que é um ser superior às minorias... isso tá acontecendo! Em 2017 A.C.!

Muita gente sabe, inclusive muitas mulheres que são alvos de assédio, o que é sair na rua e sentir MEDO. Medo por você, por quem você ama... isso não está certo, a gente vive em um mundo que se você sai de casa pra ir no mercado, talvez você não volte mais. Porque alguém pode se achar no direito de tirar a sua vida ou de fazer qualquer tipo de crueldade.

Tomei a liberdade de ler algumas matérias sobre crimes um dia desses. Eu não gosto. Mas eu fiz pra ver como estavam andando as coisas. Cada matéria que eu abria era uma coisa pior do que a outra, você abre uma que te leva pra outra, e outra, e mais uma... não acaba. É assustador.

A luta continua todos os dias pra quem é LGBT ou outro grupo alvo da ignorância da sociedade, mesmo que uma pessoa que não é e não tem um pingo de vivência de uma pessoa que sofreu preconceito, acha que tem o direito de falar por nós e impor a verdade dela descreditando nossa voz. Quem são essas pessoas pra dizer que eu não sou normal, que aquela minha amiga lésbica é doente, e que, talvez na mente deles, a gente tenha que morrer simplesmente por existirmos? É tão difícil assim cuidar da sua própria vida? Por que a vida de outros te incomoda tanto? Por que o direito dos outros de serem felizes te incomoda? Se tem alguém doente, provavelmente é você, preconceituoso.

LGBT sofre tentativa de ser calado o tempo inteiro. Se colocou gays em algum filme, série ou novela, se tem uma drag queen fazendo sucesso, os preconceituosos acham que aquela visibilidade não é necessária, que estão tentando impor uma supremacia gay (eu já li isso, WTF?!). Tentaram excluir os clipes da Pabllo Vittar e da Lia Clark, tentaram boicotar novelas com personagens gays. Por favor, né? Pensem fora da caixinha só um minuto, as minorias existem e merecem visibilidade, merecem voz, assim como TODO MUNDO. Não tem absolutamente NADA de errado nisso.

Mas posso falar a verdade? Apesar de ser bem óbvio, tem uma coisa que eu demorei pra perceber e acabei caindo na real: as pessoas não querem ouvir. As pessoas ignoram, debocham, reclamam, odeiam. Eu pensava que com muito barulho e insistência, seria possível acabar com todo o ódio e preconceito, que aceitariam a visibilidade e tudo melhoraria pelo menos um pouquinho. Só que eu vejo o oposto, parece que o ódio só aumentou. O que o futuro reserva então? Eu tenho medo da resposta, temo pela estrada a qual isso tudo está se caminhando.

18 comentários:

  1. E ai Yuri! Tudo bem?

    A liberdade é tudo e eu sou totalmente a favor desta. Fiquei maravilhado com o seu artigo porque expressa bem a sua indignação com os últimos acontecimentos e com o tanto de pessoas com a mente fechada achando que só eles são seres humanos. Talvez os esteriótipos sejam os fatores causadores deste caos que o mundo está hoje, também já sofri bastante bullyng na escola por não gostar de futebol e me senti muito mal porque eu não sou obrigado a gostar das coisas como a maioria, mas eu cresci e hoje sei meu valor e sei que independente de sua sexualidade o que importa é ter alguém para amar.

    Parabéns pelo textinho!

    Grande abraço meu amigo!
    www.cafeidilico.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, se a gente é diferente do que as pessoas estão acostumadas ou o que elas querem que a gente seja, se acham no direito de impor a verdade delas como se fosse absoluta. Também já sofri bullying... e já parou pra perceber o quanto de pessoas que também contam que sofreram? Infelizmente parece que é uma coisa comum e isso tá erradíssimo. Como você disse, não tem nada de errado em amar alguém, independente da sexualidade.

      Abração, Victor! <3

      Excluir
  2. Hora que eu li o título do seu post eu até sentei bem direitinho para ler com bastante atenção. Eu sei bem do que você está falando. Antes de mais nada eu queria dizer que eu sinto muito. Primeiramente porque ninguém tinha que estar se preocupando em fazer barulho nenhum, ninguém é circo, tinha que ser algo tão normal quanto qualquer outra coisa. Não devia ser especial, sabe?
    É até "engraçado" como eu tenho uma irmã mais nova, de 13 anos e a gente tava no shopping e passou um casal de lésbicas e ela ficou "NOSSA OLHA QUE LEGAL UM CASAL DE LÉSBICAS É TÃO LEGAL VEREM ELAS SUPER ABERTAS" e falando isso alto e eu briguei com ela. Ela ficou brava porque na ideia dela ela tava "expressando apoio", mas eu acho que o LGBT não tem que ser tratado como um "bicho em exposição", com um holoforte, pra ser exposto e entreter o outro. Tá, um casal de lésbicas, foda-se, não é problema nosso. É um casal, como qualquer outro.
    Acredito que a luta, o ódio, tudo só vai se apaziguar na hora que as pessoas entenderem que é normal.
    Eu não leio essas notícias e etc porque me faz mal. Eu como mulher, sei como é ter medo, eu como bissexual sei como é não ser aceita pela comunidade heteronormativa e também ser atacada vez ou outra "pelo vale". O machismo nosso de cada dia tá aí também.
    Tem horas que eu penso que não quero viver num mundo tão terrível como vivemos, eu sei que não quero trazer nenhum filho pra sofrer, sabe?
    Esses dias fiz uma playlist só com dragqueens no blog para comemorar o anúncio da season brasileira de RuPauls e perdi seguidores no blog, acredita? hahahaha
    É impressionante.
    Enfim, estou divagando.

    Beijos
    www.jadeamorim.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É nessas e outras que percebemos a mente preconceituosa das pessoas, mas veja pelo lado bom: não precisamos desse tipo de gente, né? Então já vão tarde hahaha E eu até entendo seu ponto, era pra ser uma coisa vista como normal (até porque é). No entanto, tem a questão da visibilidade e ainda é fato que essa sociedade heteronormativa tenta apagar ou estereotipar LGBT, então é importante ter essa visibilidade e fazer barulho pra tentar mudar a visão das pessoas. É um assunto muito complexo, até eu mesmo fico perdido. Só consigo torcer pra que tudo fique bem no futuro.

      Beijos, volte sempre <3

      Excluir
  3. Concordo plenamente! Em Portugal não temos tanto preconceito quanto no Brasil, mas isso não significa que ele não exista. Eu até gostaria de pensar que este apenas é visto entre as pessoas mais velhas que não tiveram acesso à educação e viveram durante uma ditadura muito focada nos valores da "família tradicional" e do conservadorismo, mas a triste verdade é que ainda vejo pessoas novas muito preconceituosas, que quando eu digo que tenho um amigo, automaticamente pensam que é meu namorado e quando eu digo que esse amigo é gay começam logo a achar que "me vai influenciar" (o que mete piada de tão ridículo mas é triste ao mesmo tempo).

    Acho super bem que estejam a criar mais personagens LGBTQ+ nas séries e nos livros, porque isso, de certa forma, ajuda a que as pessoas sejam mais educadas nesse âmbito e entendam que as pessoas que fazem parte dessa comunidade são exatamente como os outros (e quebrar muitos estereótipos também), ainda que, muitas vezes, eu veja isso como uma estratégia para atrair audiência devido à atenção que a comunidade LGBTQ+ tem recebido nas redes sociais e nos mídia.

    Outro argumento que a malta costuma dar é que "as crianças vão achar isso normal", mas... é normal, o que é considerado normal? Algo que acontece muito, confirmado, algo que existe desde o início do ser humano, confirmado, então, que parte é que não é normal? Cada um é como é. Também dizem "as crianças não entendem", na verdade, elas entendem, as crianças são muito espertas, está mais que provado que crianças que crescem em famílias que não escondem a existência da comunidade LGBTQ+ entendem perfeitamente que amor é amor e acabou. Eu não me lembro de não saber da existência de homossexuais ou transsexuais e também não me lembro que alguma vez estar confusa com isso.

    P.S.: Então e se for "Eu não sou preconceituoso/a mas, infelizmente, uma grande parte da população ainda tem preconceito"? XD

    Unicorns & Chill

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É bem triste Beatriz, que esse seja ainda um "fenômeno" mundial, há países que ainda consideram crime simplesmente ser homossexual, absurdo. E eu concordo que sim, usam muito a comunidade LGBTQ+ pra atrair público, entretanto a situação atualmente é tão complicada com o preconceito que isso acaba sendo melhor que nada, pelo menos há uma certa visibilidade, sabe? Que isso ajude, por favor!

      Os mais velhos querem ensinar os filhos que ser diferente é errado e isso é tão ridículo e ultrapassado. Justamente isso que me preocupa muito: os jovens preconceituosos ensinarão o preconceito a seus filhos e o ciclo continuará. :/

      Excluir
  4. Olá Yuri!
    Eu sinto muito ódio, nojo e desprezo pelo preconceito e todas suas vertentes, desde pequena nasci com o preconceito batendo à porta, a menina negra que tem um pai branco e posteriormente a menina negra que tá estudando na sala de brancos, hoje em dia sei de minha identidade, já tentei negar muito, mas não há o que mudar ~felizmente~ sou bissexual.
    Sei o que é entrar nesses sites e ver a quantidade de crimes, muitas vezes contra quem é minoria, machuca, eu choro todas as vezes que leio notícias assim, quando se perde alguém de seu grupo social, ele leva um pedaço de você também.
    Um ponto em especial do seu post me tocou muito, e me fez constatar que realmente: ninguém quer saber da gente, ou riem ou destilam mais ódio. Quando alguém que não esteja nos padrões sociais é visto, é só mais uma oportunidade pro ódio ser destilado, é triste demais pensar nisso, mas é algo que precisa ser falado e combatido cada vez mais.
    Só pra fechar: que post lindo! Que emocionante, que importante mesmo, parabéns por ter o escrito.
    Beijos, paraliseiobico.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado pelo seu comentário, Carla! Fico feliz que tenha tocado algumas pessoas, apesar de ser triste. É pra refletir mesmo! Fico pensando qual será a saída de tudo isso, já que as pessoas não dão a mínima. É fazer mais barulho? Se for isso, vamos continuar falando mesmo, abrindo a mente das pessoas! Inclusive fiz esse post justamente pra isso.

      Beijos, volte sempre <3

      Excluir
  5. Eu não leio mais comentários nos grandes portais justamente para não passar raiva. É triste pessoas que existam pessoas que pensam daquela forma mesmo e que não comentam apenas para chamar atenção.

    Sai da Minha Lente
    Eu tenho pessoas que convivem comigo que são preconceituosas e julgam minhas amizades. Pessoas que sou obrigada a dividir o mesmo espaço, mas que claro não sou obrigada a conviver com elas, né?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O melhor jeito é afastar porque não faz falta nenhuma, né não?

      Excluir
  6. "... Eu tenho medo da resposta, temo pela estrada a qual isso tudo está se caminhando..." - Então Yuri, primeiro, você me ganhou por ser da casa mais perfeita de todo o universo a Hufflepuff, segundo, não acredite naquilo que é exposto pela mídia de forma tão cruel, afinal é tragédia que da ibope, se atenha a dados e fatos de locais sérios e confiáveis.. existe um canal no Youtube, chamado O Lado bom do mundo, eu andava tão perdido achando que nada fazia mais sentido, como pode ter tanta gente ainda nesse estado de ignorância se já progredimos tanto, as ideias eram conflitantes, então, tem um vídeo lá que fala justamente sobre a violência ter menos registros hoje, que a coisa esta realmente mudando só que a mídia não divulga isso, porque não da dinheiro, pensa da seguinte maneira, esses dias estava até comentando sobre isso com meu companheiro, a transfobia, homofobia e todas as formas de preconceitos existentes atualmente são o racismo do passado, da mesma maneira que os negros foram mutilados, torturados, mortos, por serem "diferentes" até o ser humano entender que o sangue que corre nas veias é da mesma cor, isso levou tempo, porém aconteceu, a escravidão foi abolida e as pessoas de etnias diferentes, os negros, foram ganhando seu lugar em uma sociedade que já pertencia a eles, eu vejo da mesma maneira, o ser humano precisa aprender a respeitar o outro, mas para que aconteça uma grande mudança, por ainda partir de seres ignorantes de como conviver em sociedade, é necessário um pouco de dor, infelizmente. Mas não tenha medo da estrada, não tenha medo, estamos juntos, e não somos minoria, acredite, uma coisa que gosto muito de utilizar, depois de toda tempestade, tem sempre um lindo arco iris, em breve as nuvens escuras irão se dissipar, a chuva ira acalmar e só ira restar a calmaria e a beleza que vem após a tormenta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esqueci de acrescentar .. tenho blog também se quiser conhecer
      https://levigarian.blogspot.com.br/ =]

      Excluir
    2. Lindo comentário, Douglas! Quero muito acreditar nisso tudo que você falou, que tudo ainda vai melhorar... só consigo torcer pra isso ser verdade mesmo e um dia diminuir essa onda de violência e ignorância que assola nossa sociedade. Beijão <3

      Excluir
  7. Olá querido. Muito importante e bacana você abrir seu blog pra falar de um assunto tão complicado como esse. Eu tenho dois lados de mim: Um que se orgulha de ter deixado todo e qualquer preconceito pra trás. E outro que sente vergonha de fazer parte de uma família onde uns 90% são preconceituosos ao extremos, inclusive e infelizmente meu pai, uma pessoa que tanto amo. Somos uma família com descendência italiana, então, sim, somos extremamente brancos. Eu nunca achei que isso interferiu em nada na minha vida, pra mim sempre foi a cor da minha pele, mas meu pai não pensa assim. Meu marido é moreno e meu pai fala que a maior vitória é que meu filho é branco como eu. Isso me entristece e me enfurece. Esse é só o começo da pilha de merdas que já tive que ouvir. Espero que, um dia, as coisas realmente mudem.

    Vidas em Preto e Branco

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, que dose. É tão triste as pessoas terem essa mente tão retrógrada, né? Mas talvez você possa tentar mudar isso, não custa jogar uns papos e ver no que dá... afinal é seu próprio pai e sua família.

      Excluir
  8. Eu fiquei um bom tempo aqui, nessa caixinha de comentários, pensando sobre o que escrever para você. Queria dizer que você está errado, e que é só insistirmos para que os outros mudem de opinião... mas, infelizmente, você está certo ao dizer que muitos não querem sair das suas caixinhas :/

    Mas, ao mesmo tempo que essas pessoas com discurso de ódio se juntam, eu acho que o oposto também acontece. Hoje tem muito mais gente com empatia do que antes, que se preocupa com os outros, que problematiza e não fala que a dor do outro é mimimi. A geração que está vindo aí liga muito menos para rótulos sobre sexualidade, o que me dá muito mais esperança. Sei que estou falando do futuro e que temos hoje ainda não é o bastante, mas você já é muito apoiado, meu querido, nunca se esqueça disso <3

    ResponderExcluir
  9. Gostaria de ver mais textos como esse por aí. Tenho um casamento aberto com um homem e namoro um homem trans. Ambos se conhecem e rola uma harmonia perfeita. Aqui na Finlândia ainda existe preconceito - dos mais velhos e dos muito novos, o que é de se entender, obviamente.
    Eu fico com medo de pensar em voltar para o BR ou do meu namorado ir visitar um dia, porque tudo que ele lê, é assustador.
    Com a internet e a informação, em pleno 2017 a coisas deveriam estar caminhando de forma mais civilizada porém as pessoas se importam mais em fazer fuxico, ostentar o que não tem do que realmente elevar a mente com conhecimento.
    Continue escrevendo de coração <3
    A Bela, não a Fera | A Bela, não a Fera no Youtube

    ResponderExcluir
  10. Infelizmente as pessoas realmente não querem mudar. Eu evito ao máximo esse tipo de pessoa porque não faz bem viver perto delas, eu me cerco de pessoas boas para que a vida seja melhor. É muito triste saber que existem fãs de um político que prega ódio a humanidade... Mas faz parte, não é verdade?

    Eu sou a favor deles boicotarem tudo que envolva LGBTs mesmo, principalmente o facebook e o google em geral, porque, afinal são plataformas de pessoas que já declararam amor as diferenças. Bem que essa gente podia voltar pro passado, no tempo delas e se enfiar numa caverna e nunca mais sair.

    Eu ainda tenho esperança na mudança. Ainda vai demorar, mas no final o amor sempre vence. Amei o teu texto.


    Carol Justo | Pink is not Rose

    ResponderExcluir